quinta-feira, 10 de maio de 2012

Ser mãe!

Hoje antes da homenagem ao dia das mães na escola de minhas pequenas iniciei um grande questionamento do que é ser mãe na minha visão, eu sei que cada mãe terá a sua, ainda assim quero dividir com vocês.
Fui mãe cedo, aos 23 anos da Maria Eduarda e aos 24 da Maria Luísa, sim 23 e 24 anos, elas tem uma diferença de 11 meses e três semanas...
Com elas aprendi tudo, ou quase tudo, pois sei que tem muito por vir ainda...
Quando se é mãe tudo aquilo que você acha que um dia foi certo muda de ângulo, mudam os conceitos...
Descobri a arte de apertar o elevador com joelho para abrir e clicar no andar com a ponta do nariz, acreditem, elas quando bebês costumavam dormir no carro e na esperança de que elas não acordassem, colocava uma de cada lado dormindo e subia pé por pé fazendo verdadeiros malabarismos,
Aprendi a superar muito dos meus medos, pois agora precisa ser o porto seguro delas e precisava espantar os "fantasmas" das cabecinhas delas,
Aprendi a pagar mico, sim que mãe não paga mico?
Aprendi a ouvir o "deu mãe"a achar tudo isso tão comum,
Aprendi a dizer que tudo vai dar certo mesmo quando nem eu mesma sabia se isso era verdade, lembro-me de no dia da cirurgia da Maria Luísa estar com ela em meus braços olhando aqueles pequenos olhinhos verdes sem entender nos seus 2 aninhos o que mamãe fazia com ela na ante sala de um bloco cirúrgico, lembro-me direitinho como se hoje fosse de eu dizer baixinho, filha você vai voltar para mamãe e tudo vai passar, lá no fundo eu não sabia ao certo quanto tempo tudo aquilo iria durar, lembro-me da dor que senti ao ver ela recebendo a anestesia e seu corpinho agora sem fralda totalmente exposto e frágil, pela primeira vez na minha vida precisei passar por cima dos meus problemas internos sobre confiar pois o grande e querido Zé Muller (cirurgião de cabeça e pescoço) me olhou e disse, "sai daqui agora é hora de tu ser mãe, esquece que tu trabalhas em um hospital, eu cuido dela e te entrego ela em 40 min"....Querido mal ele sabia que era quase impossível de minhas pernas obedecer aquele apelo, mas assim eu fiz, e deste modo aprendi a confiar, quando vi o rostinho dele todo contente dizendo: "vem vamos tirar o tubo da tua filha, vem ver ela acordar", nossa, este momento é indescritível, faltava mais uma etapa, fomos para o quarto eu pensava nela e qual seria o resultado da biópsia que levaria pelo menos 3 dias, como seriam os próximos 30 então de recuperação, de ficar comendo somente gelados e líquidos, o que fazer, como agir, e minha outra bebezinha Maria Eduarda??? Ela pequenina tinha somente 3 anos, precisava da mamãe, mais um aprendizado, aprender a delegar, sim mais uma vez confiar....Confiar que a Lulu iria sair de tudo isso curada, confiar que a duda não sentiria tudo isso como um abandono, confiar que os médicos estavam certos, confiar, esperar, acreditar.
Bem esta é somente uma parte de toda a história, e continuam meus ensinamentos,
Aprendi a dar colo e ouvir histórias, aprendi a brincar, aprendi a sorrir, aprendi a amar,
Aprendi que a dor do outro pode ser muito maior do que a minha, aprendi a chorar no chuveiro e deixar que as lágrimas escoem assim como a água, apenas para não preocupar estes dois seres tão especiais,
Aprendi a dizer não, pois este é meu exercício diário e o mais complexo delas aprenderem,
Aprendi novamente português, matemática, inglês, espanhol, alemão de formas diferentes, fiz uma grande revisão de tudo que já vi, aprendi que o google é muito útil quando vem aquele dever de casa que você não lembra mais do que se trata e elas insistem como se faz mãe???
Apendi a tomar banho em 5 minutos, maquiar em 2 e me vestir em 1...
Aprendi que ser saudável é necessário, aprendi a ter medo de morrer, aprendi a ter medo de perder...
Aprendi a vestir 500 roupas e trocar mais 500 apenas para ouvir um "tá linda mãe"...
Aprendi a importância de acordar e dar um bom dia! De sentar à mesa e compartilhar momentos de descontração...
Aprendi a jogar papo fora na hora de dormir, de contar histórias, de fazer parte das histórias, se ser fada, ser bruxa, ser guerreira, ser do bem e ser do mal...
Aprendi a escrever de madrugada logo após elas dormirem, aprendi como é bom os pequenos momentos só meus, que são raros, aprendi a correr logo que o sol nasce...
Aprendi que nada nem nenhum objeto de valor se compara a um pedacinho de papel com alguns rabiscos e um desenho seu....
Aprendi a ser a mulher mais linda do mundo, a mais forte, a mais importante! Somente os filhos para achar tudo isso e muito mais!
Aprendi o quanto dói ver uma delas chorar porque uma das amigas não as deixou brincar na escola, o quanto dói quando eu as vejo sofrendo, como dói quando não compreendem que a Lulu passou por tanta coisa que a deficiência de fala para nós não é nada, perto do bem que é ter ela ao lado, me comove o amor que uma irmã tem pela outra e me orgulho ver uma defendendo a outra quando uma colega disse algo que magoou a mana.
Ser mãe é um aprendizado diário e hoje antes de ir ao colégio não pude deixar de pensar, hoje a duda está com 9 anos, a Lulu com 8 anos e eu com 32 , e mais uma vez fiquei em frente ao espelho me arrumando e pensando se eu estaria do jeito que elas gostam, si  até hoje ainda tenho a sensação de um primeiro encontro, se o perfume é o Mont blanc que a Lulu gosta ou o burberry que a duda gosta, vou contar um segredo, sempre coloco os dois, engraçado? Não, coração de mãe é isso insegurança, medos ansiedades, amor, muito  amor e isso nos faz humana, isso me faz MÃE.

Parabéns a todas as mães!!!

Foto logo após a homenagem na escola hoje, dia 10/05/2012, Luísa eu e a Duda.

Rita Cherutti, nutricionista, Especialista em Psicologia, mestranda em pediatria, mãe da Maria Eduarda e da Maria Luísa.

3 comentários: